Shiba Inu (SHIB): Conheça a criptomoeda “concorrente” do Dogecoin

Tempo de leitura: 2 minutos

Lançada em agosto de 2020, a Shiba Inu (SHIB) ficou bastante famosa devido à grande especulação fundamentada nas redes sociais por grandes personalidades, como o Diretor Executivo da Tesla, Elon Musk.

Toda essa especulação acabou por impulsionar a moeda, que obteve uma grande valorização no mercado. Essa valorização extremamente rápida, tornou alguns de seus investidores milionários.

A trajetória da Shiba Inu (SHIB)

O objetivo inicial dos desenvolvedores da Shiba Inu era propor uma sátira ao Dogecoin (DOGE), que por sua vez já é uma paródia, assumida, do Bitcoin. Porém a rápida adoção entre os internautas fez com que esse objetivo fosse modificado, passando a construir uma corretora descentralizada dentro do ecossistema da moeda SHIB.

Apesar deste ser um recurso diferencial e positivo para a Shiba Inu, existe pouco incentivo para o uso da plataforma, uma vez que já existem alternativas consolidadas dentro do mercado. 

Outro grande problema está nos baixos índices de segurança oferecidos pela plataforma para os usuários, que em sua maioria procuram corretoras mais tradicionais para realizar as suas transações.

Os fundamentos da Shiba Inu (SHIB)

A Shiba Inu apresenta aos seus investidores os seus valores fundamentais através da sua documentação oficial, porém não é apresentado nenhum plano de ação concreto. Os desenvolvedores defendem o conceito de revolução comunitária através do seu ecossistema. 

Essa mesma ideia já foi proposta na criação do Bitcoin, sendo derrubada pela rede Ethereum

Desta forma, podemos destacar que não existe um fator novo e revolucionário na proposta oferecida pela criptomoeda. Esta por sua vez fica condicionada e amparada na força de entrada de novos investidores, além de toda especulação gerada nas redes sociais.

Valorização da Shiba Inu (SHIB)

Apesar de toda a popularização da moeda, alcançar a tão falada marca de US$ 1 é algo efetivamente impossível, uma vez que foi realizada a oferta total da criptomoeda no mercado, inicialmente definida em 1 quatrilhão de unidades.

Apesar do episódio envolvendo um dos criadores da rede Ethereum, Vitalik Buterin, ter encurtado esse caminho, uma vez que a Shina Inu enviou 50% de todas as suas moedas disponíveis para Buterin, como meio de assegurar a confiabilidade do projeto.

O co-criador da Ethereum doou US$ 1 bilhão de SHIBs para o fundo de combate ao Covid-19 na Índia, cerca de 5% do valor recebido. As demais moedas foram destruídas, uma verdadeira “queima” de US$ 6,6 bilhões.

Apesar de ter diminuído a oferta toda de SHIBs no mundo, ainda existem 549,05 trilhões de moedas em circulação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *